carretilha de pesca carretilha de pesca

Como escolher uma carretilha de pesca?

8 minutos para ler

Todo pescador sabe que escolher a tralha certa é sinônimo de uma boa pescaria. E, nesse momento, muitos têm dúvidas em relação à carretilha de pesca.

Se você pretende pescar com iscas artificiais, com certeza sabe a importância de uma boa carretilha, que permitirá arremessos mais distantes e precisos, além de um bom controle no trabalho das iscas e regulagens finas para iscas menores, fornecendo mais tração para a pesca.

Siga conosco e veja as dicas importantes que separamos para escolher a melhor carretilha para suas pescarias.

O que é uma carretilha?

A carretilha é um equipamento de pesca que conta com o carretel e peças como: distribuidor (devanador), que arruma a linha de maneira uniforme no carretel, botão de desarme, freio mecânico (fundamental para os arremessos, deixando o carretel mais solto ou travado), freio magnético (ímãs que atuam no carretel) e freio centrífugo (tem a mesma função dos outros freios, porém oferece mais precisão).

No recolhimento da linha, a carretilha passa pelas anilhas e vai direto para o carretel. Em geral, a carretilha de pesca é mais indicada para pescadores experientes, porque exige mais habilidade de manuseio e cuidados.

Apesar disso, ela conta com vantagens importantes, como: não torce a linha, permite arremessos mais distantes, oferece maior agilidade durante as fisgadas, permite mais volume de linha e oferece fricção mais regulável, sendo, também, mais prática no uso.

Molinete

Uma opção mais simples e usada por pescadores iniciantes é o molinete. Ele conta com menos peças que a carretilha, como: carretel (onde a linha será enrolada), manivela (enrolar a linha e puxar o peixe), trava (prender a manivela e impedir que ela se movimente para trás), fricção (prende ou solta o carretel) e haste (parte vertical que fica ajustada à vara).

Quais os principais tipos de carretilha de pesca?

As carretilhas de pesca podem ser, basicamente, de dois tipos:

  1. Carretilha de perfil alto: tem um freio maior, o que torna mais fácil a briga com o peixe. Outra vantagem é que esse modelo comporta mais linha e tem maior resistência, porém é mais pesado. É uma carretilha indicada para pescadores que desejam pescar em mar e rios extensos. Alguns dos peixes mais pescados com esse tipo de carretilha são Jaú, Pintado, Dourado e Pirarara.
  2. Carretilha de perfil baixo: tem um freio menor, portanto, comporta menos linha e é mais frágil. Porém, oferece mais leveza e praticidade na hora do uso. É indicada para pescar peixes como Tucunaré, Traíra e Robalo. Essas carretilhas foram desenvolvidas especificamente para arremesso de iscas artificiais e são perfeitas para arremessos constantes (bater arremessos), com uma maior capacidade de alcance e distância, com menos esforço.
  3. Spincast: esse tipo de carretilha de pesca ainda é pouco usado no Brasil, mas é bem interessante para pescadores iniciantes. Ela tem uma estrutura física semelhante a de uma mistura entre o molinete e a carretilha. Entre as vantagens desse equipamento estão: possibilidade de arremessos longos, não tem muitas regulagens e não necessita de ajuste do freio, além de ter um custo menor. Porém, entre as desvantagens estão o recolhimento lento e a facilidade em torcer a linha.

Como escolher a carretilha de pesca?

Além de escolher o tipo de carretilha de pesca mais adequado a sua pescaria e perfil, existem outros pontos que você precisa considerar.

Freios e regulagem

As carretilhas de pesca podem ser dotadas de freios mecânicos ou magnéticos. O sistema de freio magnético é mais elaborado e oferece uma frenagem mais precisa e constante.

Por isso, o sistema de frenagem magnética é ideal para pinchos de precisão na pesca do robalo e de iscas mais leves para peixes de porte menor, como saicangas, tilápias e outros.

Outra situação em que o freio magnético leva vantagem é nos lançamentos em condições de vento, já que a constância do ímã ajuda a desacelerar o carretel e diminuir a incidência de cabeleiras.

Já o freio mecânico usa a força centrífuga. Nos modelos mais novos, é possível regular a ação desse sistema, acionando ou desativando as buchas de atrito. Embora seja um sistema básico, ele é bem eficiente, porém é um tanto irregular (mais eficaz no começo do arremesso do que no final).

Por isso, esse tipo de freio é indicado para as pescarias que exigem arremessos de iscas artificiais ou naturais mais pesadas, como para a pesca de garoupas, tucunarés, dourados e peixes de couro.

Outra vantagem desse freio é que ele permite o arremesso mais longo, sendo indicado para modalidades que precisam cobrir mais água, como no uso de iscas de barbela longa e também para técnicas de pinchos mais curtos, como flipping, pitching e skipping e para pescarias que não dependem tanto de arremessos.

Linhas

Em geral, para as carretilhas de pesca são indicadas as linhas multifilamento, que são mais bem preparadas para desenrolar no lançamento. Além disso, a carretilha tem uma propriedade que ajuda a facilitar a soltura da linha.

Ao usar linhas de nylon, o carretel embala mais que a isca – o que pode gerar o efeito cabeleira.

Forma

A forma se relaciona ao desenho e a ergonomia da carretilha de pesca. Aqui, não existe um consenso, tudo depende das suas preferências pessoais.

Velocidade

A velocidade de recolhimento, ou relação, indica a quantidade de voltas que o carretel realiza em torno da manivela. Quanto maior a velocidade, menor o torque.

Os modelos de baixa velocidade (5:1 ou menor) são indicadas para técnicas que exigem velocidade constante na hora de trabalhar as iscas. O maior poder de tração tornam essas opções perfeitas para pesca de espécies de grande porte, como peixes de couro de água doce ou de bicos oceânicos.

Os modelos de média velocidade (5,5:1 a 6,5:1) são indicados para pescas com mais variação de velocidade, tanto na hora de trabalhar as iscas como na fisgada e na briga com o peixe. Essas carretilhas são as mais usuais e empregadas em diferentes técnicas de pesca.

Por fim, as carretilhas de alta velocidade (7:1 ou maior) são recomendadas para pescarias que exigem maior velocidade de recolhimento no trabalho das iscas. Elas são importantes em técnicas nas quais o pescador precisa de ferradas muito rápidas ou deslocamentos de grandes quantidades de linha, como nas pescas de matrinxãs em corredeiras.

Marca

Por fim, é claro, não se esqueça de investir em uma boa marca de carretilha de pesca. Nem sempre a melhor opção é a mais cara. Antes de comprar, analise a opinião de outros pescadores e confira também a durabilidade média do material.

Quais são as melhores carretilhas de pesca?

Apesar de todas as dicas, ainda está difícil encontrar a sua carretilha de pesca? Separamos algumas sugestões que podem ajudar:

  • Shimano Caius 150 HGB: é a que oferece melhor custo-benefício entre as carretilhas da Shimano. Versátil, ela serve tanto para pescarias com iscas naturais como artificiais e possui excelente tecnologia de frenagem, impedindo a formação de cabeleiras. Além disso, conta com design compacto, capacidade para 100 metros de linha e relação de recolhimento de 7,2 voltas do carretel para 1 da manivela (7,2:1).
  • Albatroz Krait 10 rolamentos: carretilha básica e com valor mais acessível, ideal para pescadores iniciantes. É um modelo de entrada e que serve para diferentes técnicas. Possui freio centrífugo que suporta até 4kg, acabamento total em alumínio e recolhimento de 6,1:1;
  • Marine Sports Titan Pro 1200 SHIL: com capacidade de 150 metros de linha, esse é um dos destaques da marca. O modelo de perfil rápido possui uma relação de recolhimento de 7,3 voltas do carretel para 1 da manivela, ideal para peixes mais leves usando iscas artificiais. É uma carretilha resistente, feita inteiramente de alumínio e com sistema de freio magnético que suporta até 5,5 kg;
  • Shimano Scorpion 200 HG: a carretilha perfeita para trabalhar com diversas iscas artificiais. Feita totalmente em alumínio, suporta até 130 metros de linha. O destaque é a tecnologia de engrenagens X-Ship, desenvolvida pela marca. Tem relação 7,2:1;
  • Marine Sports Ventura VT-10: com excelente custo-benefício, essa carretilha é ideal para arremessos longos com iscas artificiais. Ela é feita de alumínio e conta com 10 rolamentos em inox, além de freio magnético e velocidade 7:1;
  • Shimano Corvalus 400: para pescarias em alto mar com iscas vivas, essa é a melhor carretilha. Ela é de perfil alto e conta com sistema exclusivo VBS, com ajuste ativo ou inativo dividido em 6 pinos.

Agora você já sabe como escolher uma carretilha de pesca? Gostou das nossas dicas? Assine a newsletter e receba as novidades do blog em primeira mão, direto no seu e-mail!

Posts relacionados

Deixe um comentário

× Como posso te ajudar?